quinta-feira, 14 de julho de 2011

O PONTILHÃO E SUAS COLUNAS

Desde que nasci,em 1970, moro na Beira Rio, hoje mais conhecido como Caminho da Serra, antiga Rua General Setembrino de Carvalho, que depois daquelas conhecidos projetos de lei de vereador puxa saco, acabou virando Rua Joaquim Otaviano.
Cresci pertinho da Estação, nossa imensa área de lazer, onde corríamos entre as ruínas do pátio ferroviário, pulando o canal de drenagem e pisando as britas remanescentes do lastro.
Com isso, o caminho para o Centro passava pelo Pontilhão, ou melhor, por baixo dele, bem em frente ao Albergue.
Nesse tempo, o Pontilhão era um imenso monstro de ferro, cor de zarção, escurecido pelo tempo, sua base em pedra cheia de tufos de capim gordura. Ao lado, a grande placa de ferro fundido onde havia a inscrição: "Ponte de Lima Duarte, com a extensão e a posição quilomètrica a partir da cidade do Rio de Janeiro. Passar sobre o  Pontilhão era prova de valor, um ritual de passagem: só os "homens conseguiam"... Ali acabava a Barreira e iniciava o Centro, por isso o local era limite de território de turmas, bem distante das gangues de hoje. Um bairrismo besta, que de tão inocente, dá até saudade... E tombaram o Pontilhão, com decreto e tudo. Mais tarde colocaram sobre ele uma laje de concreto e um guarda corpo franzino...
Ei-lo como está hoje. Note que a base de sustentação é toda de pedra, com colunas de concreto no apoio da estrutura. Essas colunas foram fundidas depois, já que a estrutura de ferro ficou curta e teve que ser feito um reforço para suportar o peso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário